Saudade

Ai que saudade que dá! Dá, não dá?
Todo mundo sente falta de alguém, algum lugar, algum tempo vivido. Mas o que eu quero falar hoje é sobre a saudade que sinto dele. Ele, que vem e vai toda hora.
Ele que faz falta desde quando partiu e embora todo dia ou quase
eu tenha notícias dele, dá saudade de olhar nos olhos, de ver vez ou outra pessoalmente e não pelo computador. saudade, não dá?
A vida é assim; ela afasta pessoas que se amam, que querem ficar perto. Ou porque elas não querem a mesma coisa, ou porque a vida é mais fácil longe, ou simplesmente porque a vida se exige longe.
Você pensa que a distância vai ser por um tempo, e de repente o tempo voa e quando a gente vê, o tempo passou e a saudade ficou. A ausência ficou.
Sim, tem gente que mesmo longe é mais presente. É o caso dele. Mas não é a mesma coisa pegar o carro e ir até outra casa pra dar um abraço ou só pra ficar jogada no sofá da sala, falando bobagem e dando risada. Pra fazer isso, teria que pegar um avião!
Ai, que saudade que dá.
A gente sabe, ou pelo menos pensa, que logo mais vamos nos ver de novo. E se a vida continuar permitindo, vamos continuar nos vendo ao menos uma vez por ano; mas só uma vez por ano dá saudade, não dá?
Bem, enquanto a vida não nos permite não mais sentir saudade, a gente fica com as lembranças boas, com a voz pelo telefone, as conversas por e-mail ou matando a saudade pelo computador. Mas que dá saudade dá, não dá?
É, “Dá”. Você sempre deixa muita saudade toda vez que você se vai.

(texto dedicado ao meu irmão e revisor Darcio De Camillis, que mora longe…)

*Se você sente saudades de alguém que está longe, mande esse texto para ele(a).

 

facebooktwittermailby feather

You may also like...

2 Responses

  1. Bruna disse:

    Lindos textos me identifique..

    • Diane De Camillis disse:

      Fico muito feliz Bruna.
      Espero que goste dos demais também. E sempre que gostar, pode comentar por favor para eu saber se estou agradando :). Beijos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: