Fuja, menino, fuja

Fuja, menino, fuja.

Fuja para bem longe.
Fuja antes que ela lhe pegue e lhe prenda para sempre.
Fuja antes que ela lhe pegue e você nunca mais consiga escapar; antes que você nunca mais queira escapar, porque você sabe que se ela lhe pegar, ela vai ser a única para você.

Então fuja. Fuja e vá ao encontro de todas as outras mulheres. Fuja dela, para que você continue tendo todas as outras. Porque você sabe, se for ela, vai ser SÓ ela e todas as outras irão acabar.

É isso o que você quer? Não, não é. Então fuja.
Fuja enquanto há tempo. Fuja enquanto ela não lhe conquiste; enquanto ela não seja a companheira que você sempre buscou; enquanto ela não lhe dê carinho, amor, atenção. Enquanto ela não lhe dê um ombro, um colo, um coração.

Fuja das noites de frio em que você não vai mais dormir sozinho, fique com as noites solitárias. Fuja da oportunidade de ligar para alguém quando você estiver triste e quiser conversar – alguém que vai te ouvir e que ao final da conversa, vai falar exatamente a frase certa; aquilo que você realmente precisar ouvir.

Fuja da pessoa que vai acalmar seu coração quando você estiver aflito; da pessoa que vai segurar sua mão quando você estiver com medo, ou que vai ficar acordada ao seu lado olhando você dormir quando estiver doente.

Fuja das noites de sábado quando você vai estar cansado e a única coisa que vai querer é ficar deitado no colo dela. Fuja que ainda dá tempo.

Se você fugir para bem longe poderá escapar de tudo isso.
Fuja e vá ao encontro da solidão. Ou não, vá ao encontro da multidão. Só que lembre-se que na multidão ela não estará.

Fuja, menino, fuja. Fuja que você ainda é muito menino. Não na identidade, mas talvez no sentimento, no comportamento ou simplesmente no momento. Talvez você não saiba o que quer. Ou talvez você saiba, mas tenha medo – e neste caso só lhe resta uma coisa a fazer: fugir.

Então fuja, menino, fuja. Fuja da moça bonita, da bondosa, da brava, da forte, da gordinha, da baixinha, da perfeita, da loira de olho azul, da morena de cabelo liso, da negra com Black power, da mestiça, da ruiva… Fuja dela, seja ela como for. Fuja dela, daquela que pode lhe pegar…

Fuja de alguém que lhe ama, que lhe quer bem, que pensa em você. Dá tempo, é só você fugir. Mas, se ela te pegar – isso se você deixar, não fuja mais. Porque se for para fugir, fuja com ela. E se mesmo assim você quiser fugir dela é porque não aceita que seu coração já tenha sido pego.

Então fuja, menino, fuja. Enquanto dá tempo, para evitar o sofrimento. Não o seu, porque este será eterno por fugir de alguém que você gosta, mas fuja para evitar o sofrimento dela. Pois se for para fugir depois é melhor fugir agora.

Fuja enquanto você pode; enquanto você quer.Só não se esqueça que se você fugir pode ser que um dia queira voltar e ela não lhe queira mais e aí quem vai fugir é ela.

 

 

facebooktwittermailby feather

You may also like...

6 Responses

  1. Zulmira disse:

    Que lindo esse texto, Diane! Mais do que lindo, perfeito. Exato. Maravilhoso.
    Já escrevi sobre esse tema: http://inquietovagalume.blogspot.com.br/2014/06/escolha.html
    (Parece que não é um comportamento raro, da parte dos meninos…)
    Abraço :)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: